Governo brasileiro deixa morrer, sem direitos reconhecidos, mais dois soldados da borracha

Apesar de condenado em cortes internacionais por violação aos direitos humanos de nordestinos, convocados e recrutados para extrair látex na Amazônia, o Brasil acaba de deixar morrer, praticamente à míngua, mais dois soldados da borracha na Amazônia Ocidental.

Assessoria
Publicada em 13 de junho de 2018 às 09:05

Porto Velho, Rondônia – Apesar de condenado em cortes internacionais por violação aos direitos humanos de nordestinos, convocados e recrutados para extrair látex na Amazônia, o Brasil acaba de deixar morrer, praticamente à míngua, mais dois soldados da borracha na Amazônia Ocidental. 

Anônimo, o seringueiro Antônio Soares Mendes Filho (Tio Deco) morreu nesta terça-feira (12), em Porto Velho.  Ele engrossa a lista de centenas de soldados da borracha, muitos tirados à força de suas famílias e mandados por Getúlio Vargas, nos idos de 1940 até o final do conflito, aos seringais amazônicos. 

Como Tio Deco, a maioria era do Nordeste e integrava um contingente civil de 65 mil homens atraídos pela propaganda militar getulista a mando dos Estados Unidos. Na proposta, a obtenção rápida de ganhos em salários, moradia e aposentadoria após o Grande Conflito (1939-45). 

- O compromisso incluía uma indenização por sua condição de combatente, em igualdade aos Pracinhas da Força Expedicionária (FEB) que lutaram no front de Monte Castelo, na Itália, informa o Vice-Presidente do Sindicato dos Soldados da Borracha e Seringueiros Para os Estados de Rondônia, Pará, Acre, Amazonas e Amapá (SINDSBOR), George Telles. 

Juvêncio Arruda de Oliveira, 108 anos, encabeçou a leva de mais de 80% de recrutados só do estado do Ceará. Ele morreu na semana passada, praticamente no anonimato na cidade amazonense de Boca do Acre, na divisa com a Capital acreana. 

De acordo com George Telles (Carioca), em 2017 a direção do SINDSBOR esteve naquela cidade e “o documentou como parte viva do grupo  de soldados da borracha aptos a receber todos os direitos reservados no Decreto de convocação e recrutamento assinado pelo ex-Presidente Getúlio Vargas”. 

À época, Juvêncio demonstrou o desejo de ser reconhecido pelo governo como “combatente de guerra”, em vida. “Não deu pra ele, nem pro Tio Deco, nem para o contingente tombado de 35 mil homens mortos nos seringais, a mando dos patrões. Morriam durante o fabrico das bolas de látex, atacados por animais selvagens e até pela temida malária”, assinalou o dirigente do SINDSBOR.    

ENTENDA O CASO

 - O acordo Brasil e Estados Unidos considerava os homens convocados e recrutados. Mas não foram reconhecidos como “combatentes de guerra” como reza o Acordo Brasil e Estados Unidos. O governo brasileiro por décadas não divulgou o que resultou do Acordo de 1942 sob o título de “Acordo de Washington”, enfatiza Carioca. 

À época, segundo dados do SINDSBOR, “o Brasil forneceu borracha à indústria bélica norte-americana durante a Segunda Guerra Mundial. Mesmo condenado na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (OEA) por violação de direitos dos soldados da borracha e seringueiros, “ainda hoje a trama política dessa aliança corre em processos na Justiça” – inclusive o do reconhecimento da condição de “Combatentes de guerra”.

Foi Getúlio Vargas que estimulou a convocação e recrutamento de contingentes de nordestinos que enfrentavam dificuldades em função das secas, a vir para a Amazônia. É dele, também, a estratégia que mobilizou ,através do temido Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) , através do serviço de alto-falantes de rua, rádios e cinemas, o deslocamento deles para os seringais da Amazônia. 

A atração da mão-de-obra nordestina fazia parte do Acordo de Washington (1942) e visava ocupar os seringais do Norte do País com a formação de um pelotão só de soldados da borracha que integrariam a Campanha Nacional da Extração da Borracha (Látex), a chamado da Nação como dizia Getúlio Vargas ao povo brasileiro. Um esforço de guerra.

Enfim, Antônio Soares Mendes Filho (Tio Deco), 95 anos, nascido nos seringais da localidade de Três Casas, em Humaitá (AM) , e Juvêncio Arruda de Oliveira (CE), 108, “morreram após escrever os seus nomes nas mais belas páginas da história dos heróis brasileiros fora do “front” de combate e dos campos de batalha na Itália”, sem ter direito a qualquer reconhecimentopelos relevantes serviços prestados à Nação Brasileira”. O desabafo é do presidente do SINDSBOR, José Romão Grande, 95 anos.

Comentários

  • 1
    image
    Francinete 13/06/2018

    Realmente, é lamentável, pois a maioria desses Desbravadores Soldados da Borracha, teriam uma sobrevida mais confortável, um bom convênio médico que lhes ofertassem toda a assistência necessária, evitando assim, passar por apuros da saúde pública. Os que sobreviveram a: malária, febre amarela,beribéri, incterícia,ataques de índios e animais selvagens, foram vencidos pela falta de consideração, pois para os políticos corruptos, não falta piedade nem rapidez, enfim, (Antônio S.M.Filho,conhecido como tio Deco, que também fez parte da construção da nossa saudosa Estrada de Ferro Madeira Mamoré e que tbm foi esquecida), nós familiares,só podemos pedir a Deus que descansem em paz, porque aqui, trabalharam como ninguém. "O Brasil, insultado na sua honra e compreendendo o dever de lutar pela liberdade do mundo, na guerra de vida ou morte que ora se trava (...) É a nossa própria dignidade que está em jogo (...) Mas não só pelas armas podemos e devemos concorrer para o triunfo completo da liberdade humana(...)Assim,tanto é soldado da caserna,o aviador, o marinheiro; o outro é Soldado da Borracha, herói da Amazônia. Ambos estão em igualdade de condições perante a Pátria...( FERREIRA, 1991, p.2)".

  • 2
    image
    Pedro Manso 13/06/2018

    Meu chegou em 1945 como soldado da borracha na esperança d ganhar muito dinheiro na época, foram todos enganados e ele morreu e nada recebeu a não ser uma aposentaduria com esmola que o governo "deu". Todos foram enganados acabaram a sua juventude em trabalhos forçado é essa a verdade.

  • 3
    image
    Paulo Nascimento 13/06/2018

    É uma vergonha o não reconhecimento do Governo Brasileiro desses nordestinos desbravadores da Amazônia na década de 40 em busca do látex a mando de Getúlio Vargas e por imposição dos EUA. E mais vergonhoso ainda, são esses políticos do Estado que ficam inerte por essa causa em Brasília. Como filho de seringueiro na Amazônia na época (José Alcino do Nascimento), sei das dificuldades enfrentadas por meu Pai para obter o látex para ser enviado aos americanos por imposição do Governo Brasileiro. O Brasil NÃO é um País sério. E nem valoriza seus verdadeiros heróis.

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook