A Itália fora. Um alerta para o Brasil?

Primeiro repito aquilo que sempre faço questão de deixar bem claro quando “falo” de futebol: não é nem meu 5º esporte predileto (voleibol, handebol, atletismo, judô, natação, são meus preferidos).

Lucio Albuquerque, repórter
Publicada em 14 de novembro de 2017 às 14:44

Primeiro repito aquilo que sempre faço questão de deixar bem claro quando “falo” de futebol: não é nem meu 5º esporte predileto (voleibol, handebol, atletismo, judô, natação, são meus preferidos).

Outro fato: estou escrevendo antes do jogo desta terça-feira contra a Inglaterra. Portanto, não o faço na situação de criticar porque perdeu ou elogiar porque empatou ou ganhou. A análise do jogo deixo a quem entende do ramo. Mas, sempre quando trato do futebol, prefiro fazê-lo do ponto de vista de temas que passam longe de como, inclusive analistas, se portam torcedores ou os que fazem parte do grupo que entende ser o Brasil “o melhor futebol do mundo” – já foi.

No entanto, não é de hoje que os mesmos analistas e torcedores discutem um problema que parece ser crônico no nosso futebol, daí ser necessário analisar o que representa, para a Copa da Rússia, a desclassificação da Itália.

Primeiro que a Itália há algum tempo não tem um bom retrospecto em Copas do Mundo. Em 2010 ficou em 26º e em 2014 em 23º. Agora, eliminado, o que representa apenas que o time da “bota” não chegou por incompetência, ou por falta de mérito. Numa disputa universalizada, dizer que times teoricamente mais fracos chegaram e a Itália ficou fora o que prejudica o futebol, é querer demais. Defendo o mérito, e se Itália – e Holanda, vice em 2010, ficaram de fora, é sinal de que lá é necessário mudar alguma coisa.

E é preciso que nós, brasileiros, entendamos que também devemos prestar atenção ao entorno. Este ano até que conseguimos classificação fácil, mas isso não pode ser creditado apenas à troca de comando, mas ao nível do futebol que se pratica atualmente na América do Sul e, mais ainda, ao amadorismo puro que é praticado pela política gerencial daquilo que Juca Chaves chamou de “ganha pão da imprensa”, o futebol.

Ao par com isso, é preciso estarmos preparados para a possibilidade de em alguma eliminatória também ficarmos pelo meio do caminho, porque temos de entender – como Itália e Holanda parece não terem feito: camisa só não ganha jogo.

Inté mais ver!

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook