10/01/2017 - 14h11min - Atualizado em 10/01/2017 - 14h11min

OAB emite primeira carteira com nome social de pessoa transexual

Márcia Rocha, 51 anos, é a primeira a desfrutar da novidade, anunciada na segunda-feira (9/1), e avalia a oportunidade como "extremamente importante".

 

Brasília – O Correio Braziliense publicou, nesta terça-feira (10), matéria sobre a primeira carteira emitida pela Ordem dos Advogados do Brasil contendo o nome social de uma profissional transexual.

Veja abaixo a íntegra do texto ou acompanhe diretamente no site do Correio

OAB emite primeira carteira com nome social de pessoa transexual 

A secional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP) pôs em prática um importante passo rumo ao reconhecimento dos direitos de travestis e transexuais (entenda a diferença). Pela primeira vez no país, uma advogada trans foi autorizada a utilizar o nome social no registro da entidade.

Márcia Rocha, 51 anos, é a primeira a desfrutar da novidade, anunciada na segunda-feira (9/1), e avalia a oportunidade como "extremamente importante". "Vai ser muito bom poder usar o nome social para trabalhar, tanto para mim, quanto para outras pessoas que podem entrar com o pedido também. Além disso, tem a questão de abrir precedentes para que outras entidades reconheçam o nome social também", pondera.

A advogada conta que já passou por diversas situações desconfortáveis por não poder utilizar o nome social. "Eu faço muitas palestras sobre direitos humanos pelo Brasil e, depois delas, as pessoas vão procurar meu nome no site da OAB e não encontram. Sempre tenho de explicar que meu nome de registro é outro. Em petições e audiências, eu também tinha que usar o meu nome de registro", lembra.

O uso do nome social foi aprovado em maio do ano passado, por unanimidade, no Conselho Pleno da OAB — a maior instância da entidade. Até chegar a esse ponto, no entanto, o processo passou quase quatro anos tramitando. Márcia foi uma das precursoras da iniciativa, ao lado da presidente da Comissão de Diversidade Sexual da OAB/SP, Adriana Galvão. "Nós fizemos um estudo e elaboramos um parecer técnico em São Paulo, antes de enviar o pedido para Brasília. (Depois de aprovado no Conselho Pleno,) Foi pedido um prazo para que o regimento fosse modificado", explica Galvão, justificando o tempo transcorrido entre a aprovação da autorização e a emissão do primeiro certificado.

"Reconhecer esse direito é um grande avanço para garantir tranquilidade ao exercício profissional. Dar uma demonstração dessa dentro da OAB traz uma visibilidade aos direitos trans. As pessoas que têm medo de se posicionar perceberão que o direito delas está sendo garantido. É um fato histórico, no sentido de entender que o respeito às diferenças e o respeito à cidadania é, de fato, universal", conclui Galvão.

Luta por identidade

No começo de 2017, o Correio publicou uma série de reportagens especiais sobre os desafios enfrentados pelos travestis e transexuais no Brasil. Entre outros dados alarmantes, a série mostra que ao menos 868 travestis e transexuais foram assassinados no país nos últimos oito anos, o que o deixa no topo do ranking de registros de homicídios de pessoas transgêneras. Foi apontado ainda que, pela falta de oportunidades de emprego, 90% das pessoas trans acabam tendo que recorrer à prostituição como fonte de renda em algum momento da vida. Uma das reportagens aborda justamente a batalha pelo direito à atualização de documentos de acordo com a identidade de gênero.

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 12:23:00

Emeron abre inscrições para Especialização em Direito para a Carreira da Magistratura e Programa de Residência Judicial

A Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (EMERON) publicou no Diário da Justiça de ontem, 18, os editais para a turma 2017...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 11:41:00

Acusados de mortes de sem-terra em Cujubim serão levados a júri popular em Ariquemes

A sentença de pronúncia foi publicada nessa segunda-feira, 17.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:58:00

Procurador pode aguardar fim de processo para assumir novo cargo sub judice

O candidato concorreu sub judice, amparado em liminar concedida pela ministra do STJ Regina Helena Costa, e ficou em 20º lugar.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:55:00

Acusado de estuprar menor cega e deficiente mental deve permanecer preso

Há no processo informações de que o crime foi praticado com a ajuda da mãe da vítima, que teria dopado e oferecido a filha ao namorado para ser desvirginada.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:42:00

“Ignorância ativa”

Por Andrey Cavalcante

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:41:00

STJ reconhece excesso de prazo e liberta preso que estava em preventiva desde abril de 2015

A audiência de instrução e julgamento está marcada para agosto de 2017, quando a prisão preventiva completaria dois anos e quatro meses.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:39:00

Tribunal estadual deve analisar habeas corpus apresentado em plantão judiciário

O tribunal estadual não conheceu do habeas corpus ao argumento de que o pedido não se enquadrava nas situações de urgência que justificam a utilização do plantão judiciário.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:37:00

STJ revoga prisão temporária decretada em 2015 e nunca cumprida

A ministra afirmou que, no caso analisado, atualmente não estão mais presentes os motivos que fundamentaram o decreto de prisão.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:35:00

Réu que cumpria pena indevidamente em regime fechado vai para o aberto

Na decisão, a ministra determinou a imediata transferência do réu para o regime aberto, considerando que a pena foi fixada no mínimo legal (quatro anos) e que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP)...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:33:00

Falta de fundamento da ordem de prisão autoriza extensão de liberdade ao corréu

O corréu alegou que o habeas corpus concedido pela Sexta Turma a outro acusado na mesma ação não tem caráter exclusivamente pessoal, e que por esse motivo poderia ser estendido em seu favor.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2017 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com