Ô Seu San Gennaro, eu tô cagado? - por Vinicius Canova

As pessoas não costumam confessar seus preconceitos. Eu estou com elas, geralmente, mas hoje resolvi expor um deles

Vinicius Canova
Publicada em 22 de dezembro de 2017 às 14:49
Ô Seu San Gennaro, eu tô cagado? - por Vinicius Canova

Porto Velho, RO – Há algo que a vida me ensinou após muitas porradas: quem quebra os próprios protocolos está fadado ao nocaute. Todos nós temos preconceitos, a maioria inconfessável; outros, os mais latentes, acabam exteriorizados sem querer, basicamente por instinto de autopreservação.

Por amor, resolvi me arriscar e ignorar uma regra interna básica que me manteve a distância da infeliz constatação: eu estava – e continuo – absolutamente correto, infelizmente. Eu simplesmente não frequento lugares finíssimos por questões de desconforto. Detesto e passo longe do conceito de high society e esta cisma me protegeu ao longo de 28 anos de caminhada.

Aprecio muito meu jeito de ser para sair da minha casa engomado, de terno, indumentária de marca, sapato social lustrado e cabelo atolado em gel para ser bem tratado no comércio. A isso, não abro exceções.

Só que quando um casal completa dois anos de relacionamento a estabilidade adquirida após os altos e baixos do pontapé inicial requer uma comemoração à altura. Logo, tive uma ideia de jerico. Levei minha namorada para jantar no conceituadíssimo, garboso, imponente, requintado e exuberante San Gennaro – o melhor da culinária italiana, dizem. Até então jamais havia pisado lá – e espero nunca mais fazê-lo depois do constrangimento que passamos ontem.

Meu Deus, por que eu fiz isso?

Os adjetivos acima não são caracterizações irônicas. De fato, a estrutura destoa positivamente. O ambiente é luxuoso e rústico, causando sensação ímpar de conforto a quem o aprecia. Mas e a comida? Ah, deve ser deliciosa, não duvido. Agora, caso alguém me questionasse a mesma coisa esperando referências, seria obrigado a dizer: não faço a mínima ideia! Aliás, bem que eu tentei comer. Me esforcei bastante, acredite.

Assim que chegamos à entrada, minha companheira, tão vislumbrada quanto eu em relação ao impacto visual do restaurante, hesitou antes de ingressar às dependências. Era tudo tão bonito e organizado que nos deixou boquiabertos. Um local assim não poderia ser ruim, seria impossível!

Impossível?

Foi colocar os pés além da entrada que a história mudou de figura. Alegria e amargura passaram a percorrer minhas entranhas em vez de massas e vinho. O que era pra ser uma noite agradável, no mínimo, tornou-se verdadeira hecatombe.

Como se fôssemos assombrações alheias ao mundo real, funcionários e um sujeito negligente e compridão que parecia ser gerente – embora não se portasse como um – sequer nos lançaram um mísero boa noite, o cartão de visitas inaugural de qualquer serviço que preste.

Tudo bem, relevável.

A atitude por si não teria relevância alguma se, logo em seguida, não tivéssemos deflagrado uma verdadeira via-sacra em busca de uma mesa.

– Senhor, poderia nos apontar um bom local para duas pessoas?

Depois de muita luta para conversar com alguém, uma resposta atravessada, em tom áspero, patrocinada por um tipo que mais parecia segurança de boate mequetrefe que alguém disposto a atender clientes no ramo gastronômico:  

– Ah... Deve ter lá em cima. Deem uma olhada lá!

Sem problemas. Subimos as escadas, constatamos a lotação e descemos para tentar outra vaga. Pedimos ajuda ao cidadão mal encarado, mais uma vez. Finalmente um casal levanta de uma mesa apropriada e o garçom nos informa:

– Só preciso limpar para vocês. (Os informes sempre em tom lacônico, como se fôssemos lá pedir favor).

Ok.

Esperamos próximos ao balcão. Não quis ser mal educado e grudar à retaguarda do trabalhador demonstrando desespero e ansiedade pelo lugar enquanto este o limpava. Imaginei que organização, pelo menos, haveria.

Imaginei errado!

Minha namorada subiu ao segundo andar para retocar a maquiagem enquanto eu, imóvel para não atrapalhar o movimento da casa, continuava aguardando. A esta altura já estava puto, segurando a onda, perseverante, imbuído de um sentimento equivocado que, mesmo após todos os indícios contrários, me fazia crer ser possível desfrutar de nossa comemoração naquele lugar sem maiores perturbações.

Quando dei por mim, um casal que havia recém entrado corre até a mesa que estavam organizando para nós e... pronto, senta e se acomoda sem a mínima objeção por parte do garçom que há pouco havia nos informado que arrumaria a mesa para a gente. Erámos verdadeiros alienígenas aprisionados naquele desconfortável perímetro de descaso.

Abri os braços como quem pede pênalti após falta na área sem bola e bradei:

– Meu amigo, o que foi isso? Você não estava arrumando a mesa para nós?

A reposta:

– Ah... – seguida de um virar de costas cinematográfico como nos filmes antigos de ação onde os protagonistas davam de ombros às explosões que provocavam bancando verdadeiros organismos vivos do caos, tal qual o garçom, os demais funcionários e o compridão em relação a nós.

Foi a gota d’água.

Pensei: “Meu Deus, será que eu estou cagado? Não é possível...”.

Quando minha companheira regressou relatei o ocorrido e, desta vez, critiquei abertamente a atitude dos envolvidos, sem rédeas sociais, sem conter o ímpeto.

Aquele rapaz que citei, o que parecia gerente sem agir como tal, lançou-nos um olhar de peixe morto acompanhado de expressões oligofrênicas e, como se nada tivesse acontecido, mandou essa:

– Mas o que foi que nós fizemos?

Caímos fora e fomos ao Rock & Ribs Lounge, onde nos trataram muito bem – como sempre. A raiva passou, comemoramos, nos divertimos, trocamos presentes e saímos felizes, muito felizes.

E para quem entender este texto como um atentado ao San Gennaro, esqueça. Afinal, nem sei o que há lá já que não consegui passar da recepção. Espero, de coração, que as pessoas continuem a frequentar o restaurante e o estabelecimento mantenha-se nos trilhos do crescimento e da prosperidade. Só não é para mim.

Minha sugestão é a mais basilar de todas: tenham respeito, a mola propulsora de tudo.

Admito a minha responsabilidade no episódio. Não nasci pra recinto afrescalhado nem pra lidar com gente cheia de dedos. Se não tivesse aberto exceções ao meu protocolo, nada disso teria ocorrido.

Quanto ao San Gennaro, nosso namoro durou pouco, mas o que não falta é lugar pra ir. Como aconselham as sábias e antigas mammas italianas numa livre adaptação ao caso:

“Sei ancora innamorato di lei? Dai, troverai presto qualcun altro… chiodo scaccia chiodo!” (Você ainda está apaixonado? Não se preocupe, você vai achar outra… prego tira prego!)

Comentários

  • 1
    image
    Ricardo Lopes 22/12/2017

    Sejamos honestos.  São Genaro não é um ambiente de glamour.  É bonito e acolhedor. Apenas isso.  Está longe de ser luxuoso! O atendimento precisar se bom para todos. Estive ali varias vezes e nunca fui mal atendido.  A questão da mesa foi um desastre, cuja culpa maior foi dos clientes mal educados!

  • 2
    image
    Eolis Tavares da Costa 22/12/2017

    Isso é feio, cadê a excelência no atendimento, afinal é um ponto de destaque em referência ao conjunto do Cayari histórico na minha cidade, não tem competência, não se estabelece, afinal os filhos da terra é conhecidos como queridos, simpáticos e hospitaleiro. San Genaroooo, não está com competência, VASA!!!!!

  • 3
    image
    Diego Machado 22/12/2017

    Eu não sei o que aconteceu, porque sempre fui bem atendido, inclusive dá primeira vez.

  • 4
    image
    flabio 22/12/2017

    kkkkk, então nao foi só comigo, entrei no ambiente, ninguém nem me deu boa noite, ai vi que tinha wifi, pedi a senha, a garçonete me respondeu, nós não damos a senha pra ninghuém, pedi um prato de massa, a comida chegou depois de uma hora, e bem fria, kkkkk ótimo lugar pra se ter dor de cabeça.

  • 5
    image
    Paulo 22/12/2017

    Ontem estive lá. Já fui N vezes! Acho que nunca teve uma recepção indiferente da sua com o dono ou seja quem for. Fui para 2 piso e escolhi uma mesa que era ideal para minha noiva! So que toalha estava suja e recolhi 1 branca e vi que a 2 de baixo tbm estava. Tirei e logo seguida veio um garçon e disse não tire com voz alta. Eu disse vou tirar porque está suja.  Logo veio outro muito educado e trouxe o cardápio. Sempre atencioso. Quando veio terceiro Garçon servi a comida Disse: que ali era obrigado a trabalhar de forma errada. Fazer coisas erradas que não condizia com sua profissão. Que sentia falta do trabalho anterior. Então vejo que ali os profissionais são obrigados a atender ruim os clientes.  Vou pelo local, vinhos e comida.  Falta mais humildade e um excelente gerente! 

  • 6
    image
    JOSE GUEDES 22/12/2017

    Não resisti ao gargalhar, pois foi bem assim mesmo que me senti em 1980, quando fui, eu e minha então namorada Lindalva, barrados na entrada do Baile Municipal, antiga festa tradicional de nossa Porto Velho. E ainda me sinto assim, diante de tanta hipocrisia, que separa as pessoas pelos sinais externos de riquezas materiais, muitas das quais de origens bem duvidosas. Também, fico refletindo sobre alguns escritores que venderam milhões de livros ensinando o caminho do sucesso, quando agora se sabe como conquistaram os aventados sucessos. Ou outros, que não tem atividades econômicas visíveis e só vivem fazendo articulações para enganar o povo, mas sabe-se que esbanjam dinheiro que é fruto de barganhas, de corrupções envolvendo o dinheiro público, sendo que esses nunca serão barrados ou menosprezados. Minha Lindalva, duas vezes, Primeira Dama de Porto Velho, só participou uma vez dos tais "Chás Beneficentes" onde o que sobressaia mesmo eram os desfiles de roupas e jóias. Nas lojas, ela diz, são muitos os vendedores e vendedoras que avaliam o montante da compra levados pelas aparências, chegando às raias da falta de educação no atendimento. Prezado, Vinícius Canova, tenha certeza que você expressou, no seu artigo, o sentimento de muitos, de milhares, de milhões, de bilhões de pessoas, pois são muitos no mundo inteiro que sofreram e sofrem vexames como esse e bem maiores que esse vivenciado por você. E é assim mesmo, denunciando publicamente, que vai se operando as cirurgias necessárias os ajustes sociais da humanidade. Fraterno abraço e Feliz Natal pra você e Família. José Guedes

  • 7
    image
    Tito 22/12/2017

    Kkkkk kkkkk.... hei, Belo! Teu texto é estupendo.

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook