O endividamento das famílias de Porto Velho é menor que o nacional

ENDIVIDAMENTO BEM ABAIXO DA MÉDIA NACIONAL - O endividamento das famílias de Porto Velho voltou a subir 4,8%, mas, ainda assim está abaixo 15,5% abaixo do nacional.

Assessoria | Foto: Reprodução
Publicada em 14 de novembro de 2017 às 11:15
O endividamento das famílias de Porto Velho é menor que o nacional

O endividamento das famílias de Porto Velho, segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), elaborada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia-FECOMÉRCIO/RO em parceria com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), depois de dois meses seguidos caindo, voltou a subir em outubro, em relação a setembro , em 4,8 % com a pesquisa revelando que o número de famílias endividadas na capital de Rondônia aumentou. Porém, mesmo assim, o endividamento, em outubro de 2017 é 12,8% menor o de outubro do ano passado quando 59,9% das famílias estavam endividadas. Também é 15,5% menor que os 61,8% da média nacional.

               Síntese dos resultados

Outubro 2016/Agosto/Setembro/Outubro 2017 (Em %)

Meses

Total de Endividados

Dívidas ou contas em atraso

Não terão condições de pagar

Outubro   2016

  59,9

19,4

 6,8

Agosto     2017

  51,4

14,1

 4,0

Setembro 2017

  49,8

12,0

 3,7

Outubro   2017

  52,2

10,4

 3,5

Fonte Direta: CNC/FECOMÉRCIO RONDÔNIA

Por outro lado, as famílias com dívidas ou contas em atraso tiveram uma queda de 13,3%, saindo de 12%, em setembro, para 10,4% em outubro, e 46,3% abaixo de outubro de 2016.  Também muito abaixo da média nacional que foi, em outubro de 2017, de 26%.

Comportamento semelhante ocorreu com as famílias que não terão condições de pagar suas contas que caíram (5,4%) tendo diminuído de 3,7%, em setembro, para 3,5% em outubro. E 48,5% menor em relação a outubro de 2016, quando foi de  6,8%.  Também é menor 65,3% que a média nacional de 10,1%.

Para o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia- Fecomércio/RO, Raniery Coelho, “As condições do poder aquisitivo, este ano, das famílias, com uma maior intenção de consumo e um menor endividamento, além da inflação estar menor e a taxa de juros estar baixando, nos leva a crer que teremos vendas de fim de ano bem melhores. Isto elevou o otimismo dos empresários do comércio seja 8,4% maior do que o ano passado. Tudo indica que teremos um fim do ano melhor para o comércio de Rondônia”.

Outro indicador positivo para o comércio é o de que o tempo de atraso predominante das dívidas é acima de 1 ano, com 34,4%, seguido das dívidas de até 3 meses, com 33,3%, vindo depois as dívidas entre 3 e 6 meses e, por fim, 13,1% com as dívidas entre 6 meses e 1 ano; os restantes não souberam ou não responderam.

O tempo médio de atraso das famílias também foi de 59,6 dias, em outubro. O tempo médio de comprometimento da renda das famílias foi, em outubro, de 6,7 meses.  Como fonte das dívidas os cartões de crédito continua disparado liderando o endividamento das famílias de Porto Velho com 51,1% das famílias, seguido pelos carnês, que respondem por 34,5% das dívidas.  Outras dívidas que pesam são o crédito consignado (14,4 %), o   financiamento de carro (6%) e o crédito pessoal (5,8%).

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

Nova gestão toma posse no Coren-RO

Nova gestão toma posse no Coren-RO

O novo Plenário do Conselho Regional de Enfermagem de Rondônia (Coren-RO), gestão 2018/2020,  tomou posse na segunda-feira (13), na sede do regional, em Porto Velho.

A Itália fora. Um alerta para o Brasil?

A Itália fora. Um alerta para o Brasil?

Primeiro repito aquilo que sempre faço questão de deixar bem claro quando “falo” de futebol: não é nem meu 5º esporte predileto (voleibol, handebol, atletismo, judô, natação, são meus preferidos).