Léo Moraes destaca que caos na saúde do município recai sobre o Estado

Parlamentar disse que dará continuidade a fiscalizações e que espera não precisar do apoio da Polícia Militar.

Juliana Martins | Foto: Gilmar de Jesus
Publicada em 14 de março de 2018 às 11:15
Léo Moraes destaca que caos na saúde do município recai sobre o Estado

Em seu pronunciamento na sessão desta terça-feira (13), na Assembleia Legislativa, o deputado Léo Moraes (PTB) destacou que o cenário da saúde pública do país vive um colapso, onde todo recurso demandado acaba sendo insuficiente. O parlamentar disse não ser diferente a situação de Porto Velho que, segundo Léo Moraes, vive um momento extremamente delicado.

De acordo com o deputado, a saúde da Capital passa pelo caos instalado nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), nas Unidas de Pronto Atendimento (UPAs), no Programa de Saúde da Família (PSF), nas policlínicas que, segundo ele, não estariam suportando a demanda, faltando desde insumos indispensáveis até medicamentos que, segundo Léo, compõem a cesta básica da saúde.

“E o reflexo dessa deficiência toda acaba recaindo sobre o Estado, responsável pelos atendimentos de média e alta complexidade que, aliás, já vive seu próprio caos, a exemplo do Hospital João Paulo II e do Hospital Infantil Cosme e Damião”, enfatizou o deputado.

No entanto, o deputado ressalta que não é por omissão ou por falta de preparo da gestão municipal que o Estado vai se eximir de cumprir com suas prerrogativas.

“É nossa atribuição enquanto deputado atender a atividade correlata do poder público do Estado. Já fiz fiscalização em algumas unidades e voltaremos a fazer, inclusive no João Paulo II. E desde já gostaríamos de pedir aos dirigentes do hospital e da Sesau que não nos façam passar por situação constrangedora, para não dizer, vexatória”, declarou Léo Moraes.

O deputado disse já ter passado por grandes dificuldades para entrar no hospital em outra ocasião. Léo reforçou que fiscalizar é sua atribuição, prerrogativa e obrigação como deputado estadual. O parlamentar disse esperar não ser necessário ter que pedir apoio da Polícia Militar para entrar no Hospital João Paulo II e constatar a realidade.

“Não queremos fazer uma inspeção midiática, não queremos fazer circo ante o desespero e dificuldades do povo, mas quero que me reservem o direito de adentrar naquele espaço. E isso já está aprovado e registrado em ata na Comissão de Saúda da Assembleia”, argumentou o deputado.

Léo Moraes informou que o cunho da fiscalização é averiguar as condições de atendimento aos pacientes e as condições de trabalho dos profissionais. O deputado disse espera não contar com uma animosidade entre os poderes, pois “não deixará de cumprir com seu dever por conta de capricho de terceiros”, afirmou o parlamentar.

Caerd

Léo Moraes informou que chegou à Assembleia Legislativa, projeto que autoriza a contratação de pessoal para a Companhia de Águas e Esgotos de Rondônia (Caerd), que segundo o deputado, vive um caos em sua administração.

“A Caerd abre buraco, coloca tubo e não fecha, deixando os quatro cantos da nossa capital com ruas esburacadas”, criticou o parlamentar. Para o deputado, se o Estado tem recurso para contratação, deveria pagar o acordo judicial dos servidores da companhia.

“Ou o realinhamento do Sintero, o Plano Estadual de milhares de servidores que clamam por isso. O que eu peço é apenas prioridade, o que é certo é certo, a necessidade clama por atendimento imediato”, concluiu o parlamentar.

Comentários

    Seja o primeiro a comentar

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook