10/01/2017 - 13h35min - Atualizado em 10/01/2017 - 13h35min

Empresária e professora permanecem presas por crime de tortura

De acordo com as investigações, a empresária e a professora teriam torturado, com tesoura, faca, cordas e um lençol, uma outra mulher para que ela confessasse em vídeo um suposto caso de adultério com o marido da primeira.

 

Uma empresária e uma professora da rede municipal, suspeitas de prática do crime de tortura, vão permanecer presas preventivamente na cidade de Rio Verde (GO), segundo decisão da presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz.

De acordo com as investigações, a empresária e a professora teriam torturado, com tesoura, faca, cordas e um lençol, uma outra mulher para que ela confessasse em vídeo um suposto caso de adultério com o marido da primeira.

No habeas corpus impetrado no STJ, a defesa alegou que a empresária é mãe e lactante e que a professora está de atestado médico para se recuperar de uma cirurgia, o que justificaria a prisão domiciliar.

Fatos

Na decisão, Laurita Vaz ressaltou que o juiz de primeiro grau apresentou “motivação suficiente”, baseada em fatos e provas, para decretar a prisão preventiva. Entre as razões, está o fato de a vítima ter sofrido ameaças e agressões que resultaram em quatro costelas trincadas, hematomas e escoriações pelo corpo, o que evidenciaria “o grau de periculosidade” das duas presas.

“Ademais, não havendo notícia de que o tribunal a quo tenha procedido ao exame meritório, reserva-se primeiramente àquele órgão a apreciação da matéria ventilada no habeas corpus originário, sendo defeso ao Superior Tribunal de Justiça adiantar-se nesse exame, sobrepujando a competência da corte a quo, mormente se o writ está sendo regularmente processado”, justificou a ministra.

Após o indeferimento da liminar, o mérito do habeas corpus será analisado pelos ministros da Sexta Turma do STJ, especializada em direito penal.

 

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s):HC 384381

Leia também:

comentários

COMENTÁRIOS


Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook

publicidade
RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 12:23:00

Emeron abre inscrições para Especialização em Direito para a Carreira da Magistratura e Programa de Residência Judicial

A Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (EMERON) publicou no Diário da Justiça de ontem, 18, os editais para a turma 2017...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 19/01/2017 ás 11:41:00

Acusados de mortes de sem-terra em Cujubim serão levados a júri popular em Ariquemes

A sentença de pronúncia foi publicada nessa segunda-feira, 17.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:58:00

Procurador pode aguardar fim de processo para assumir novo cargo sub judice

O candidato concorreu sub judice, amparado em liminar concedida pela ministra do STJ Regina Helena Costa, e ficou em 20º lugar.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:55:00

Acusado de estuprar menor cega e deficiente mental deve permanecer preso

Há no processo informações de que o crime foi praticado com a ajuda da mãe da vítima, que teria dopado e oferecido a filha ao namorado para ser desvirginada.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 17/01/2017 ás 12:42:00

“Ignorância ativa”

Por Andrey Cavalcante

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:41:00

STJ reconhece excesso de prazo e liberta preso que estava em preventiva desde abril de 2015

A audiência de instrução e julgamento está marcada para agosto de 2017, quando a prisão preventiva completaria dois anos e quatro meses.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:39:00

Tribunal estadual deve analisar habeas corpus apresentado em plantão judiciário

O tribunal estadual não conheceu do habeas corpus ao argumento de que o pedido não se enquadrava nas situações de urgência que justificam a utilização do plantão judiciário.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:37:00

STJ revoga prisão temporária decretada em 2015 e nunca cumprida

A ministra afirmou que, no caso analisado, atualmente não estão mais presentes os motivos que fundamentaram o decreto de prisão.

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:35:00

Réu que cumpria pena indevidamente em regime fechado vai para o aberto

Na decisão, a ministra determinou a imediata transferência do réu para o regime aberto, considerando que a pena foi fixada no mínimo legal (quatro anos) e que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP)...

RONDôNIA JURíDICO | matéria escrita em 16/01/2017 ás 13:33:00

Falta de fundamento da ordem de prisão autoriza extensão de liberdade ao corréu

O corréu alegou que o habeas corpus concedido pela Sexta Turma a outro acusado na mesma ação não tem caráter exclusivamente pessoal, e que por esse motivo poderia ser estendido em seu favor.

publicidade
publicidade
© Tudo Rondônia 2005-2017 web site jornalístico - todos os direitos reservados
Editor responsável: Rubens Coutinho/ Registro Profissional 192 DRT/RO
Redação e administração: Avenida Calama com Lauro Sodré, 1118 - Salas 305 e 306 - Bairro Olaria - Porto Velho, Rondônia - CEP 76801-276 MSN/e-mail: tudorondonia@gmail.com