Apesar do que fez, é outro candidato a ser esquecido na nossa história?

Nas muitas conversas que tive com ele, nas mais variadas situações, não havia qualquer dúvida sobre suas paixões, além da família: a Medicina e Rondônia.

 Lúcio Albuquerque, repórter
Publicada em 04 de dezembro de 2017 às 11:34
Apesar do que fez, é outro candidato a ser esquecido na nossa história?

Médico Jacob Atallah | Foto: Fimca 

Em finais de 1975 ou início de 1976 fui entrevistar o médico Jacob Atallah, sobre um forte surto de malária que estava grassando, e com muito mais violência nas comunidades que àquela altura se formavam em Rondônia com a chegada de milhares de famílias que praticamente nada sabiam sobre a doença então considerada endêmica na Amazônia. Eu não o conhecia, apenas atendia à sugestão de uma pauta grande sobre a migração via BR-364, mas a forma como ele abordou o tema e, mais ainda, como me tratou, fez-me ver a dimensão e a importância dele.

Àquela altura, ainda como Território Federal, Rondônia passava por uma transformação fantástica, mudança tão forte que pouco mais de cinco anos depois levou o governo federal a admitir que, como dizia o então governador Humberto Guedes, “Rondônia não pode continuar sendo tratado por Brasília da mesma forma que os outros Territórios”.

À pergunta sobre a razão de não haver um trabalho sério de pesquisa e prevenção à malária, Jacob foi simples: “Enquanto a malária não grassar nos grandes centros não haverá vacina e nem ação forte para seu combate”. Sobre o assunto eu já ouvira não sei quantos técnicos em não sei quantas entrevistas e palestras, e as respostas eram sempre evasivas talvez porque eram funcionários de órgãos federais da área de saúde. Quanto à vacina continuamos na mesma.

Como malárico, fui um dos muitos pacientes do dr. Jacob. E dele recebi uma medicação que não sei dizer qual, à que atribuo nunca mais eu ter tido malária, apesar de em minha vida profissional ter pernoitado não sei em quantos locais onde carapanã era a companhia constante.

Nas muitas conversas que tive com ele, nas mais variadas situações, não havia qualquer dúvida sobre suas paixões, além da família: a Medicina e Rondônia. Aos poucos fui juntando seu percurso na nossa história – citação inclusive de ter sido o primeiro natural daqui a ser diplomado médico, e retornado a trabalhar aqui.

Ele lembrou que quando prefeito de Porto Velho (*) uma de suas obras foi muito criticada: a construção do colégio John Kennedy (Bairro de São Cristóvão). E os críticos alegavam que ele estava jogando dinheiro fora, porque a cidade que àquela altura chegava, quando muito, onde está  a Feira do UM, nunca iria até à região muito distante então. Pelo visto ele provou que os críticos é que não tinham visão de futuro.

Em 1978, ou algo por aí, ele nos tirou – a mim e ao jornalista Montezuma Cruz – de uma espécie de “cárcere privado” a que alguns secretários do governo nos submeteram, naquela base do “não estão detidos, mas não podem sair daqui” (**).

Candidato a deputado estadual, Jacob Atallah foi eleito pela Arena, e foi um dos signatários da primeira Constituição estadual,  exercendo durante algum tempo a liderança do governador Jorge Teixeira.

Em 1976 disputou o governo do Estado, numa campanha altamente desigual em que o vencedor, Jerônimo Santana, contava com todo o apoio do governador Ângelo Angelin.

Através do doutor Jacob, conheci sua mãe, dona Elza Freitas e o pai, Abdon Jacob Atallah. O filho, médico e ocupando importantes funções no Governo, “batia ponto” diariamente para um café na sala localizada nos fundos da loja da família, na esquina da Barão do Rio Branco com a José de Alencar. Eu sempre aparecia lá justo na hora do café e dona Elza vinha com uma tapioca e o cafezinho quente.

Depois, antes de ir embora, era ouvir as histórias do “seu” Abdon contando como era a vida quando aqui aportou vindo de sua terra natal, o Líbano, em 1912 para Santo Antonio e, em 1914 (***), para Porto Velho.

E foi numa dessas conversas com “seu” Abdon quando perguntei, por ele ter estado na cerimônia de instalação do município de Porto Velho, em 1915, a razão de nenhum nome feminino ter aparecido na lista dos que assinaram a ata, sua resposta, ao contrário do que possam pensar hoje os que não fazem a contextualização histoóica dos fatos, fez-me entender bem aquela época.

“Seu” Abdon, por que nenhuma mulher assinou a ata?

Sua resposta foi simples: “Meu filho, naquele tempo a mulher era para cuidar da casa, da família e rezar na igreja”.

Foi aí que nasceu a ideia do livro “A Mulher em Rondônia”, que publiquei em 2005.

Finalizo enviando os meus, de da minha família, respeitos aos familiares do rondoniense Jacob de Freitas Atallah, por quem sempre terei respeito e lamentar, que vistos os exemplos, seja ele mais um nome que, seguida a regra comum, será outro para a História rondoniense aos poucos esquecer.

(*) 1972/1974, conforme Abnael Machado de Lima em “Porto Velho: de Guapindaia a Roberto Sobrinho – 1914/2009

(**) (http://www.gentedeopiniao.com.br/noticia/historias-da-pressao-contra-jornalistas-em-rondonia-por-lucio-albuquerque/172860)

(***) Esron Penha de Menezes em “Retalhos para a História de Rondônia”

Comentários

  • 1
    image
    Montezuma Cruz 04/12/2017

    Um homem honrado. Sabia receber críticas. E dava exemplo de dignidade, quando líder do governo no período da Assembleia Constituinte. Além do que o Lúcio Albuquerque relato, tenho algo mais a lembrar. Bem pessoal. Na chefia da Casa Civil do Governo do Coronel Humberto Guedes, ele não deixava de ser o médico atento, competente e solidário. Assim que notou que minha filha Vânia de Lourdes (hoje m´pedia pediatra) nascera em parto complicado na Maternidade Darcy Vargas, chateou-se um tanto porque o médico plantonista não havia comparecido ao hospital. Vânia nascera em parto dificílimo, com hematoma de ductos biliares (um tumor caminhava para se alojar em seu fígado). Cadê o médico para o parto? Não veio. Doutor Jacob sugeria-me que processasse o hospital. Não o fiz, mas passei a admirá-lo por toda a vida. Quanto a Vânia, salvou-se. Pouco antes de inteirar dois anos de vida, foi operada (uma intra-umbilical com 52 pontos) no Hospital Cruzada Pró-Infância Pérola Byington em São Paulo, e quis o destino que estudasse medicina. Esteja em paz, grande doutor Jacob.

  • 2
    image
    jose braz guimaraes 04/12/2017

    Lucio, absoluta verdade. O Dr. Jacob , apesar de tudo, deverá ser esquecido. Tanto é que, POUQUÍSSIMOS médicos, que aqui trabalham, conheceram este querido colega. Assim como o Dr. Rachid não será homenageado

  • 3
    image
    AMARO NEVES 04/12/2017

    Ótima matéria, porém, uma correção: não houve disputa para o governo de Rondônia em 1976, mas sim, em 1986, por sinal, a primeira eleição para esse cargo (governador), para o qual Jerônimo Santana saiu vencedor.

  • 4
    image
    Pedro Origa Neto 04/12/2017

    Tive a honra de auxiliá-lo como advogado do Município. Honesto. Cordial. Não mandava recados. Falava o que entendia correto. Ouvia Valter Sales, Claudio Feitosa, Tião Valadares e tantos que, desculpem, não ter lembrado os nomes. Quando um grupo da Arena quis a minha cabeça, após descobrirem que militei no movimento estudantil, além de ser filho de preso político, receberam um não. Tive o prazer de ficar até o final de seu mandato. Rondonia perdeu um grande homem. Os meus sentimentos para Auristela, José Atala, Abdonzinho e netos. Pedro Origa Neto

Envie seu Comentário

Envie Comentários utilizando sua conta do Facebook